terça-feira, 16 de maio de 2017

A REFORMA DE QUE A IGREJA NECESSITA HOJE




Antonio Lopez Baeza, A reforma de que a Igreja precisa hoje.




Quatro perguntas como parte de toda esta conferência:


1) A Igreja necessita continuar pregando o céu como recompensa e o inferno como punição para o comportamento humano?


2) A Igreja necessita do Estado do Vaticano para exercer a sua missão evangelizadora no mundo?


3) A Igreja necessita da hierarquia que é definida e praticada como o exercício do poder sobre o povo de Deus?


4)  A Igreja precisa de um manual de definições dogmáticas para defender (e, sobretudo, para ampliar) a fé no Deus de Jesus de Nazaré?

Poucos temas podemos encontrar de tanta atualidade nestes começos do século XXI, como o da Igreja e sua relação com o mundo pós-moderno. Necessita o mundo de hoje da Igreja, para algo que lhe seja imprescindível, na superação dos gravíssimos problemas que hoje afligem a humanidade? O que realmente pode trazer a Igreja para o bem geral doo mundo globalizado e digital que vivemos atualmente? Será verdade que aquilo que disse um bispo francês na década de noventa do século passado, contenha a chave do tema que vamos tratar, quando afirmou categoricamente: "Uma Igreja que não serve, para nada serve"?
Leia o documento na íntegra, clicando no LINK abaixo:  (o documento está em espanhol)
Esta postagem foi publicada em documentos por Fraternidade Jesus Caritas . Bookmark the permalink .

DEPRESSÃO E SUICÍDIO NA IGREJA




Depressão e suicídio na Igreja: quando os padres precisam de ajuda

“A dificuldade de relacionamento entre os pares e a impossibilidade de falar de seus desafios pessoais com os leigos. Uma das razões do acometimento da depressão e síndrome de Burnout entre religiosos relacionam-se com variáveis internas, as pressões do ofício e também a imensa solidão destes sujeitos”, diz a especialista no atendimento de religiosos Dra. Luciana Campos (*).

16 de novembro de 2016: o padre Rosalino Santos, de 34 anos, pároco na cidade sul-matogrossense de Corumbá, publica no Facebook uma foto de quando era criança, legendada com frases soltas: “Dei o meu melhor“, “Me ilumine, Senhor“. Dois dias depois, o seu corpo sem vida é encontrado pendendo de uma forca.

Oito dias antes, o padre Ligivaldo dos Santos, de Salvador, se atira de um viaduto aos 37 anos de idade. Dentro do mesmo período de 15 dias, um terceiro sacerdote brasileiro dá fim à própria vida, com apenas 31 anos: o pároco Renildo Andrade Maia, em Contagem, Minas Gerais.

A sequência de suicídios de padres católicos chamou a atenção da mídia e voltou a ser abordado recentemente em uma relevante reportagem da BBC Brasil, que, a respeito desses casos, consultou o psicólogo Ênio Pinto, atuante há 17 anos no Instituto Terapêutico Acolher, em São Paulo. Desde que foi fundado, no ano 2000, o instituto voltado ao atendimento psicoterápico de padres, freiras e leigos a serviço da Igreja atendeu por volta de 3.700 pacientes.

Autor do livro “Os Padres em Psicoterapia“, Ênio observa que “a vida religiosa não dá superpoderes aos padres. Pelo contrário. Eles são tão falíveis quanto qualquer um de nós. Em muitos casos, a fé pode não ser forte o suficiente para superar momentos difíceis”.

Esta visão é compartilhada pelo psicólogo William Pereira, autor do livro “Sofrimento Psíquico dos Presbíteros“. Para William, “o grau de exigência da Igreja é muito grande. Espera-se que o padre seja, no mínimo, modelo de virtude e santidade. Qualquer deslize, por menor que seja, vira alvo de crítica e julgamento. Por medo, culpa ou vergonha, muitos preferem se matar a pedir ajuda”.

Os especialistas consultados pela reportagem da BBC indicam o excesso de trabalho, a falta de lazer e a perda de motivação entre os possíveis fatores que levam religiosos ao suicídio. De fato, uma pesquisa feita em 2008 pela organização Isma Brasil, voltada a estudar e tratar do estresse, já apontava que a vida sacerdotal era uma das ocupações mais estressantes: dos 1.600 padres e freiras entrevistados naquele ano, 448 (28%) se disseram “emocionalmente exaustos”, um percentual superior ao dos policiais (26%), dos executivos (20%) e dos motoristas de ônibus (15%).

Para Ana Maria Rossi, a psicóloga coordenadora da pesquisa, os padres diocesanos são mais propensos a sofrer de estresse do que os religiosos que vivem reclusos: “Um dos fatores mais estressantes da vida religiosa é a falta de privacidade. Não interessa se estão tristes, cansados ou doentes: os padres têm que estar à disposição dos fiéis 24 horas por dia, sete dias por semana”.

Muito distante da “vida mansa” que os desinformados imaginam, o dia-a-dia da maioria dos sacerdotes é pontuado por celebrações de batizados, casamentos, unções dos enfermos, escuta de confissões e muitas atividades pastorais que incluem a caridade e as atenções a pessoas necessitadas, além da celebração diária da Santa Missa, das orações pessoais ou comunitárias e dos tempos de estudo – sem mencionar os muitos casos em que o padre ainda dá aulas e atende os fiéis em direção espiritual.

Conforme os dados de 2010 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a média nacional é de 1 padre para cada 5.600 fiéis.

Diretor da Âncora, uma casa de repouso no Paraná para padres e freiras com estresse, ansiedade ou depressão, o padre Adalto Chitolina confirma que, para eles, “sobra trabalho e falta tempo. Se não tomar cuidado, o sacerdote negligencia sua espiritualidade e trabalha no piloto automático. Ao longo de 2016, a nossa taxa de ocupação foi de 100%. Em alguns meses, tivemos lista de espera”.

Um dos sacerdotes atendidos pelo centro Âncora foi o padre Edson Barbosa, de Andradina/SP, que, dormindo pouco, comendo mal e se sentindo irritadiço, começou a beber. Ao se dar conta do rumo que estava tomando, pediu dispensa das atividades paroquiais e se internou durante três meses na casa de repouso. Após as consultas médicas, palestras de nutrição e exercícios físicos que o ajudaram a trocar o álcool pelo novo hábito de fazer caminhadas e pedalar, o padre de 36 anos está sóbrio há um ano e nove meses e testemunha: “Não sei o que teria acontecido comigo se não tivesse dado essa parada. Demorei a perceber que não era super-herói”.

O padre Douglas Fontes, reitor do seminário São José, de Niterói, RJ, costuma alertar os futuros sacerdotes sobre a importância de cuidarem mais da própria saúde: “Jamais amaremos o próximo se antes não amarmos a nós mesmos. E amar a si mesmo significa levar uma vida mais saudável. Tristes, cansados ou doentes não cumpriremos a missão que Deus nos confiou”.

O bom conselho é reforçado pelo arcebispo de Porto Alegre, RS, dom Jaime Spengler, que preside a comissão da CNBB voltada à vida pessoal dos padres. Ele afirma que os sacerdotes devem pedir ajuda ao bispo quando sentirem tensão psicológica ou esgotamento físico: “Os padres não estão sozinhos. Fazemos parte de uma família. E, nesta família, cabe ao bispo desempenhar o papel de pai e zelar pelas necessidades dos filhos”.

O Brasil não é exceção no quadro de estresse que afeta os religiosos sobrecarregados. A universidade espanhola de Salamanca ouviu 881 sacerdotes do México, da Costa Rica e de Porto Rico para identificar uma alta incidência, entre eles, de transtornos relacionados à atividade sacerdotal: “Três em cada cinco experimentavam graus médios ou avançados de burnout, a síndrome do esgotamento profissional”, informa Helena de Mézerville, autora da pesquisa. O burnout é conhecido na Itália, entre alguns sacerdotes, como a “síndrome do bom samaritano desiludido”.

Mas os padres católicos estão longe de ser os únicos atingidos. A BBC também ouviu o xeque do Centro Islâmico de Foz do Iguaçu, PR, Ahmad Mazloum, para quem “é preciso satisfazer, de maneira lícita e correta, as necessidades básicas do espírito, da mente e do corpo. Caso contrário, estaremos sempre em perigoso desequilíbrio”. O rabino Michel Schlesinger, da Congregação Israelita Paulista, concorda e observa que “a natureza do trabalho é a mesma. Logo, estamos sujeitos aos mesmos riscos”.

Fiéis devem ficar atentos, julgar menos e ajudar mais

É oportuno lembrar aos leitores católicos que é dever cristão de todos nós zelar pelo bem das almas – e isto inclui a alma dos nossos sacerdotes, religiosos, seminaristas, freiras e leigos consagrados. Eles contam com especial graça de Deus, certamente, mas Deus sempre deixou claro que confia o acolhimento da Sua graça à nossa liberdade, inteligência e caridade: precisamos fazer a nossa parte por nós próprios e pelos outros, ajudando-os especialmente quando estão sobrecarregados e necessitados da nossa fraternidade. Devemos tomar em especial o cuidado de não cometer injustos julgamentos baseados na visão imatura de que “o que falta a esses padres é vida de oração“. Isto é um reducionismo que pode chegar a ser grave pecado de calúnia ou, no mínimo, maledicência. Mesmo as pessoas que vivem intensamente a fé e uma sólida espiritualidade estão sujeitas, sim, ao esgotamento físico e, portanto, à necessidade de ajuda. Se julgarmos menos e ajudarmos mais, viveremos com mais coerência o cristianismo que dizemos professar e que tanto gostamos de cobrar dos outros.

Diante do quadro depressivo, muita compreensão, sabedoria, respeito, amor e o apoio na busca de um profissional para tratar o depressivo.

Frei Inácio José do Vale

Psicanalista Clínico

Professor e Conferencista

Membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise Contemporânea- SOBRAPSICO/RJ. E da Associação Nacional de Psicanálise-ANPC/DF.

sábado, 29 de abril de 2017

ESVAZIAMENTO E FECHAMENTO DE IGREJAS


Disse Dom Diarmuid Martin, arcebispo de Dublin: “Há pessoas que rejeitam a Jesus por culpa nossa”. “Os escândalos dentro da Igreja, amargura e divisão, ritual vazio, uma falsa cultura clerical de superioridade, críticas a pessoas que Jesus teria acolhido: tudo isto contribuiu para anuviar as possibilidades de muitos em reconhecer o verdadeiro Jesus”, clamou o prelado. Denúncia para a qual, como recordou, tem o pleno respaldo do atual pontífice. “O Papa Francisco adverte constantemente contra o perigo de uma Igreja que só olha para dentro, protetora da instituição, arrogante, ao invés de misericordiosa”, afirmou (1).

Desde 1966 o catolicismo em Quebec, Canadá, entrou numa espiral de decadência. Uma das regiões mais católicas do globo se tornou uma parábola do que pode vir a acontecer no Ocidente do ponto de vista religioso, cultural e demográfico, sem um milagroso auxílio de Nossa Senhora.

O passado católico do Quebec corre assim grave risco de ser apagado, escreveu Giulio Meotti, editor cultural do diário “Il Foglio” da Itália, ecoado pelo Gatestone Institute. 

A resistência ao dramático colapso do cristianismo em Quebec não é imaginável sem um novo afervoramento do velho catolicismo, contrariamente ao que pregam até certos “direitistas” que têm os olhos postos na Rússia “ortodoxa” e neocomunista.

Quebec tem o sabor de uma antiga província francesa: belas paisagens, ruas com o nome de santos católicos. Há semelhanças até com o trágico presente francês: em 2016 um franco-atirador assassinou seis pessoas numa mesquita.

Os prédios católicos estão vazios e o clero, pretendendo se modernizar, envelheceu e ruma para a extinção. A igreja de São Judas Tadeu em Montreal virou academia de fitness. Os instrutores tomaram o lugar dos padres. Clientes preocupados com seu corpo ocupam os espaços outrora destinados aos fiéis preocupados com a alma.
Em vez de confessionários, há equipamentos para treino. Deus não se torna mais sensível aos homens enquanto a cidade morre para a História. A igreja de São Judas Tadeu virou o “Spa Saint-Jude” dos “adoradores do bem-estar”, religiosamente dirigidos por ‘personal trainers’.

Celebrações comunitárias são realizadas na forma de festas badaladas, com coquetéis servidos em bancos estilo de igreja e em forma de crucifixo, enquanto na sacristia do novo culto estão os vestiários.
Na igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro de Montreal, que fechou suas portas ao culto, funciona o Teatro Paradoxe. A antiga nave cristã agora serve para concertos e conferências. Aos domingos, os hinos litúrgicos foram substituídos por shows de discoteca que testemunham o culto de outros deuses.

A diocese de Montreal vendeu 50 igrejas e edifícios religiosos nos últimos 15 anos. Em 24 de maio de 2015 foi celebrada a última missa na famosa igreja de São João Batista, dedicada ao padroeiro dos franco-canadenses. O bispo auxiliar de Quebec, Monsenhor Gaetan Proulx, comunicou pragmaticamente que a “metade das igrejas de Quebec” irá fechar nos próximos dez anos.

Ironicamente, o filme “The Barbarian Invasions” (“As invasões dos bárbaros”) “apresenta cena em que um velho padre católico analisa peças de arte religiosa sem muito valor, que abarrotam a sua diocese, para mostrar a sua irrelevância, e diz: ‘Quebec costumava ser tão católica quanto à Espanha ou a Irlanda, todos eram religiosos”.

‘Num determinado momento nos idos do ano de 1966, a bem da verdade, as igrejas de repente, em questão de meses, ficaram vazias. Um fenômeno estranho que ninguém jamais foi capaz de explicar.’
O estado do catolicismo em Quebec é desolador. Em 1966 havia 8.800 padres. Hoje só restam 2.600, idosos na sua maioria, que residem em lares para doentes ou em asilos para anciãos. Em 1945, 90% da população assistiam à missa católica semanal, hoje são 4%. Centenas de comunidades católicas desapareceram. Segundo o Conselho do Patrimônio Religioso de Quebec, em 2014 cessou o culto num número recorde de igrejas: 72. A situação é ainda pior na arquidiocese de Montreal. Das 257 paróquias que havia em 1966, em 2013 apenas ficavam 169.
O laicismo em Quebec se impõe agressivamente em face de uma hierarquia eclesiástica que após o Concílio Vaticano II lhe estendeu os braços em gesto de diálogo e conciliação. O governo promove o multiculturalismo, cujos melhores nomes são descristianização, paganização ou islamização. Em Quebec houve um aumento dramático do número de muçulmanos jovens que se alistaram no Estado Islâmico.

Multiplicaram-se os ataques terroristas cometidos por canadenses pervertidos ao Islã. Eram pessoas que rejeitaram o relativismo transformado em fundamentalismo liberal imperante no país e evoluíram para abraçar o fanatismo islamista. 
Um relatório acadêmico citado pelo Gatestone Institute conclui que: “o censo canadense mostra que o Islã é a religião que mais cresce no país e que embora a maior parte do crescimento da população muçulmana esteja relacionada com os índices de natalidade dos muçulmanos e migração, desde 2001 a população islâmica também aumentou em consequência das conversões religiosas dos canadenses não muçulmanos”.

A taxa de natalidade despencou de uma média de quatro filhos por casal para apenas 1,6, bem abaixo do que os demógrafos chamam de "taxa de substituição populacional”. Segundo os demógrafos, a província de Quebec precisa de 70.000 a 80.000 imigrantes por ano para compensar a queda da natalidade.

Metade dos ministros do governo de Justin Trudeau não foi empossada com juramento religioso. Eles se recusaram até o dizer que cumpririam seu dever “com a ajuda de Deus”. Quebec se esvazia. A escalada dos óbitos serve de pretexto para as esquerdas, lideradas pelo primeiro-ministro Justin Trudeau, atraírem ondas de imigrantes muçulmanos.

O lema de Quebec é “Je me souviens” (“Eu me lembro”), mas ninguém sabe dizer do quê, exatamente. Dessa maneira, esquecida a religião católica no período pós-conciliar, Quebec foi ficando uma “região livre” de catolicismo. Por isso, o Giulio Meotti, editor cultural do diário italiano “Il Foglio”, acaba perguntando se a revolução conciliar e multicultural pode ter outro resultado senão a vitória do Islã (2).
O Papa emérito Bento XVI rompeu o silêncio do seu retiro vaticano para encorajar a superação de duas concepções do Estado que levam a radicalismos: o “Estado radicalmente ateu” e o “surgimento de um Estado radicalmente religioso nos movimentos islamistas”. As consequências de ambos os excessos podem ser sentidas “todos os dias”, observa ele (3).
A questão religiosa na pós-modernidade é parte central de muitas incompatibilidades cruéis no sistema político, econômico e social. De forma ideológica é a raiz de muitos males e o cerne de terríveis conflitos. Seu esquema é assegurado em todos os níveis por uma elite governamental poderosamente econômica, detentora de tecnologia, de manipulação do fator religioso no arregimento de adeptos e de pseuda paz e harmonia que passa em parte para opinião pública.
Frei Inácio José do Vale
Professor e Conferencista
Sociólogo em Ciência da Religião
Irmãozinho da Visitação de Charles de Foucauld
E-mail: pe.inacio.jose@gmail.com

Notas:
(1)http://www.ihu.unisinos.br/566734-ha-pessoas-que-rejeitam-a-jesus-por-culpa-nossa-crentes-nele-afirma-arcebispo-de-dublin
(3)http://pt.aleteia.org/2017/04/25/bento-xvi-nos-alerta-para-os-radicalismos-ateu-e-islamista/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt
A igreja de São Judas Tadeu em Montreal transformada em academia, interior e exterior




PROLIFERAÇÃO RELIGIOSA

Brasil: A cada hora nasce uma nova organização religiosa

Desde 2010 no país sul-americano a cada hora nasce uma nova organização religiosa. São os dados impressionantes citados na pesquisa realizada pelo jornal O Globo. O fisco brasileiro registrou 67.951 entidades sob a rubrica de “organizações religiosas ou filosóficas”, uma média de 25 por dia. Segundo o relatório, os principais motivos que podem explicar o fenômeno são a facilidade para a abertura de novas igrejas, o fortalecimento do movimento neopentecostal e os efeitos da situação econômica.

Em fins de 2016, o Instituto Datafolha publicou uma pesquisa que fez ressoar uma campainha de alarme na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O estudo mostra que, nos últimos dois anos, 9 milhões de pessoas abandonaram o catolicismo no país. Em 2014, a porcentagem da população que declarava ser católica era de 60%, ao passo que em dezembro de 2016 baixou para 50%. No mesmo período, os fiéis pentecostais ou neopentecostais passaram de 18% a 22%. Embora a recente baixa na porcentagem de católicos não foi acompanhada por uma ampla expansão dos fiéis pentecostais ou neopentecostais, o que preocupa os bispos é outro dado: a metade dos que declaram ser pentecostais ou neopentecostais provém da Igreja Católica, onde haviam crescido.

A ascensão do pentecostalismo: da religião à política

O crescimento do pentecostalismo é um fenômeno que se expande para além da religião: ele “cresce ao mesmo tempo na base social e em espaços de poder, como mídia e cargos eletivos nacionais, estaduais e municipais”, diz a socióloga Christina Vital. Um exemplo “bem-sucedido” dessa expansão na política, aponta, foi à vitória de Marcelo Crivella nas eleições municipais do Rio de Janeiro. “Quando Crivella foi eleito, a grande repercussão na mídia enfatizava aquela como uma vitória de sua denominação de origem. Mas não é esse o ponto: ele ganhou não por ser evangélico, mas porque fez inúmeras alianças na sociedade e tinha uma fala que contemplava anseios sociais. Teve alta votação em periferias, mas também ganhou em bairros da Zona Sul, como em Ipanema”, relata. Contudo, frisa, ainda é cedo para avaliar “em que medida o elemento religioso faz diferença nesse âmbito da gestão pública, porque o fato de a pessoa ter uma vinculação religiosa não necessariamente implica um atravessamento religioso institucional”.

As razões deste crescimento são muitas. Desde estratégias propriamente institucionais até os anseios privados, que giram em torno de demandas motivacionais. Por exemplo, as igrejas evangélicas estabelecem uma proximidade com o seu público, proporcionam espaços de encontro diários, fazem aconselhamentos espirituais, mas também emocionais e financeiros/profissionais. Seus pastores são, via de regra, muito disponíveis aos fiéis. Geralmente moram nas mesmas áreas e estabelecem grande empatia porque vivem condições muito semelhantes aos demais. Do ponto de vista institucional, como a maioria tem um modelo de governo congregacional, não precisam se subordinar a um ministério, nem a uma centralidade administrativa. O observamos o crescimento da participação de pentecostais na organização política local, social e também econômica, com a abertura de variados comércios com uma marca gospel e que difere, por exemplo, do comércio que sustentava o circuito do tráfico até meados dos anos 1990.

O catolicismo é dominante no Brasil em diferentes aspectos, mas o pentecostalismo cresce ao mesmo tempo na base social e em espaços de poder, como mídia e cargos eletivos nacionais, estaduais e municipais. Sendo assim, ganham muita visibilidade, embora, em termos percentuais, sejam minoritários em relação aos católicos.

Conclusão

Escreveu o sociólogo alemão Max Weber, em seu clássico texto Rejeições religiosas do mundo e suas direções, ou teoria dos conflitos, as religiões de salvação têm uma relação de tensão e concessão com o mundo. Portanto, com os pentecostalismos não poderia ser diferente. Há uma conexão entre conflitos e benefícios, ascensão e retribuição, poder político e poder religioso, glória, escândalo e corrupção. 

Os fundamentos e crescimento do pentecostalismo se encontram na Teologia Carismática e da Prosperidade. A mística e o misticismo, sincretismo e biblicismo fundamentalista. Daí: cura divina, milagres, exorcismo, falar em línguas, arrebatamento ou repouso no espírito. A força da doutrinação e a procura de novos membros para que se salvem da perdição e das religiões idólatras,  levam os fiéis doares dízimos e ofertas, seu tempo ou toda a sua vida para obra de evangelização. Segue o empreendimento da mídia, escrita e falada, construção de templos, engajamento na política e as bênçãos de Deus como barganha no fator econômico para converter o mundo às igrejas pentecostais. Sem burocracia e sem a ditadura hierárquica seu avanço é progressivamente colossal!
Dr. Sigmund Freud, o pai da psicanálise disse: “o ser humano não é só razão é também emoção”. No mundo tomado pela ansiedade, medo, depressão, drogas e violência, mania de suicídio e vícios da internet, o pentecostalismo abraça e acolhe a todos com a sua gigantesca ferramenta: o emocionalismo!

Frei Inácio José do Vale
Professor e Conferencista
Sociólogo em Ciência da Religião
Formador do Instituto dos Irmãozinhos de Charles de Foucauld
E-mail: pe.inacio.jose@gmail.com

Fontes:

http://www.ihu.unisinos.br/566635-brasil-a-cada-hora-nasce-uma-nova-organizacao-religiosa

http://www.ihu.unisinos.br/565856-a-grande-onda-do-pentecostalismo-no-brasil-e-as-propostas-de-alguns-bispos-para-enfrentar-a-perda-de-fieis


http://www.ihu.unisinos.br/566735-ascensao-do-pentecostalismo-da-religiao-a-politica-entrevista-especial-com-christina-vital

sexta-feira, 28 de abril de 2017

CARTA DE JÉAN FRANÇOIS E AURÉLIO



DESTAQUE






Queridos irmãos,
trabalhámos esta semana sobre os assuntos da fraternidade e, sobre tudo, as pessoas que estão no coração de nossa preocupação e que nos motivam, quer dizer, cada um de vós. Neste pequeno Nazaré de Vernon, em casa de nosso irmão François MARIN, que nos acolhe como a filhos seus, vos lembramos e damos graças a Deus por que sois nossos irmãos. Muito obrigado, François, por dar pousada ao peregrino e acolher teus irmãos.

Centramos o trabalho em rever temas pendentes da fraternidade num bom clima de diálogo e compartilhando ideias, opiniões e a preocupação por dar resposta a temas pendentes e de um futuro imediato para o funcionamento da fraternidade: os questionários para a Assembleia Europeia neste verão na Polónia, para a Assembleia Mundial na Índia em janeiro de 2019, a economia da fraternidade internacional, o preventivo da memória 2016 da fraternidade para ser enviada á Congregação para o Clero no Vaticano, a nova fraternidade em Haiti, as previsões para o encontro de responsáveis e delegados da família Carlos de FOUCAULD em abril, em Aquisgrão, os ecos do Centenário do irmão Carlos que nos chegam dos diferentes países, nossa inquietude pela saúde de Félix, de Madagascar, a recuperação de Suso, de Espanha, despois de uma intervenção cirúrgica, etc.






Segunda feira, 6 de março, compartilhamos com os responsáveis das regiões de Île de France e Normandia (Yves de MALLMANN, Joseph JOURJON, Louis YON e Xavier CHAVANE) um tempo prolongado de diálogo e encontro. Foi formidável poder encontrar-nos em fraternidade para por em comum as realidades de nossas fraternidades e as preocupações. Cremos que estamos vivendo em Europa um tempo de passagem que é um Nazaré real pelo envelhecimento das fraternidades. Existe um chamamento muito sério a viver este espaço com optimismo e amando esta espiritualidade Nazaré de ser cada vez mais idosos, com poucas entradas de gente jovem. Vivendo com simplicidade e ao mesmo tempo o compromisso de fraternidade universal nesta Europa centrada em si própria, redobrada sobre si, com a recusa do estrangeiro, do refugiado, com medos, que provocam a promoção das políticas populistas e as de corte reacionário. Perante tudo isto, e na línia do papa Francisco, nos sentimos chamados a testemunhar e viver a mensagem de fraternidade universal do irmão Carlos e o carácter missionário de nosso carisma como fraternidade sacerdotal Iesus Caritas. O diálogo com os muçulmanos em Europa acreditamos que é possível, e acontece em bastantes comunidades cristãs, com gestos de aproximação. Os preconceitos devem cair, e a tentação de olhar a outros deixar de ser uma ameaça. Por exemplo, em França, um terço dos bairros populares é muçulmano. Teremos que aprender a dialogar com esta realidade.



Terça feira, 7, recebemos a visita de Jacques GAILLOT, bispo de Partenia, de nossa fraternidade, que veio de Paris para compartir nosso trabalho em casa de Jean François. Foi um grande presente o tempo vivido desde que o acolhemos na estação do comboio de Vernon até sua partida. Pudemos aprender da sabedoria dos simples como ser mais humanitários, como ser sacerdotes num mundo difícil, como estar abertos á esperança e a viver fora das seguranças e comodidades de ser ocidentais. Obrigado, Jacques, por vir estar conosco e por todos os testemunhos a través de tua vida de uma entrega á causa 





de Jesus.


Quarta feira 8, trabalhamos na manhã, e á tarde fomos até a Gouville, para estar com Michel PINCHON, a quem encontramos forte e são. Sua casa está aberta a numerosas visitas de pessoas da terra onde vive ou de mais longe com quem partilha com generosidade sua experiência e sabedoria. Tivemos a ceia com Jean Louis RATTIER e a reunião do grupo de Bíblia de sua paróquia, em Damville, compartilhando sua pastoral e seu trabalho do dia a dia. Sempre é gratificante participar no Nazaré de cada irmão, tanto o exterior como o interior. Nazaré é a experiência viva de como nos situamos fraternalmente perante aquilo que nos rodeia, em uma união cada vez mais forte com Jesus.

Valoramos muito positivamente o trabalho de Fernando TAPIA, Jean Michel BORTHEIRIE e Manuel POZO em Almería, Espanha, para elaborar um documento base sobre o Mês de Nazaré. Este documento será estudado e aprovado na Assembleia de Bangalore. Obrigado a estes irmãos por ter respondido a nosso pedido desde a equipe internacional.

Lembramos que devemos fazer um esforço todas as regiões para colaborar com a caixa internacional, especialmente porque a próxima Assembleia Mundial de Bangalore 2019 tem já um orçamento e é preciso cobrir as despesas. Desde a equipe internacional procuramos economizar em recursos o máximo possível. Obrigado ás fraternidades que já aportaram sua cotização com generosidade

.


Nosso site iesuscaritas.org está aberto á colaboração de todas as fraternidades. Esperamos vossos artigos, notícias e avisos de próximos acontecimentos para anuncia-los na agenda. É um meio de comunicação que nos aproxima uns dos outros.

Nossa reflexão teve como nota importante o chamado a viver, como fraternidade, nosso ministério como missionários dentro do presbitério diocesano, no lugar que ocupamos, seja na paróquia, ou no hospital, ou na prisão, ou dentro das organizações que ajudam os refugiados, os seres humanos deslocados pela guerra ou a pobreza, os lugares de atenção aos necessitados de nossas sociedades, com o chamado de ir aos últimos, como Carlos de FOUCAULD, já que aí encontramos a Cristo. Como o papa Francisco nos lembra, no há vida espiritual sem um coração aberto, generoso e misericordioso. “Saiamos, saiamos a oferecer a todos a vida de Jesus Cristo… Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e suja por sair á rua, mais do que una igreja doente pela reclusão e a comodidade de agarrar-se ás próprias seguranças… Mais do que o temor de enganar-nos, espero que nos mova o temor a encerrar-nos nas estruturas que nos dão uma falsa contenção, nas normas que nos tornam juízes implacáveis, nos costumes onde nos sentimos tranquilos, em quanto que fora está una multidão faminta e Jesus nos repete sem cansar-se: “¡Dai-lhes vós de comer!” (Mc 6,37) (Evangelli Gaudium, 49)





Desde Vernon nos desejamos uma santa Quaresma e um caminho para a Páscoa com Jesus e os irmãos e irmãs como companheiros de caminho.

Um grande abraço.

Jean François e Aurelio

Vernon, Normandia, França, 10 de março de 2017

(Muito obrigado, irmãzinha Josefa, para a tradução)